“A tecnologia de ponta pode habilitar um novo caminho para o mercado segurador, mas é preciso atentar para a eficiência dos processos atuais”

08/11/2018 / FONTE: Segs

8839e5cbd685115bc1976dab63fca7a3_M
A frase é de Marcio Paes, CEO da Sistran, durante o debate sobre automação de processos no 12º Insurance Meeting, da CNSeg

A transformação digital é o mote das discussões atuais do setor de seguros. Novas possibilidades do efetivo emprego da Robótica, BPM e inteligência artificial estão mudando a forma como interagimos na hora de contratar seguros. O questionamento que se faz hoje é: será que a forma de operacionalizar e processar seguros realmente mudou? A resposta, dada por Tom King, diretor sênior da Pega Systems para a área de seguros, é que, na maioria dos casos, não: “A transformação ainda digital está acontecendo mais no “system of engagement”, na forma as seguradoras interagem com os clientes”.
De acordo com a visão de Paes, a robótica, que tem sido vista como a tecnologia que vai impulsionar a transformação do setor, não é por si só uma ferramenta transformacional, mas pode ajudar a suportar projetos de transformação, adicionando performance aos processos que podem ser automatizados. O que o executivo defende, na realidade, é que também é necessário modernizar os sistemas de back end, que processam transações e gerenciam apólices, para que eles trabalhem sem falhas, ao mesmo tempo que se caminha para a adoção de tecnologias que vão melhorar a experiência do cliente, seja no call center ou nos inúmeros canais de relacionamento.
Um caminho mandatório é a otimização dos processos estratégicos de negócio, segundo Paes. Logo, é propício o estudo cuidadoso da jornada do cliente e redesenho das tarefas pensando nos resultados esperados, além da adoção de ferramentas que monitorem o processo atual, apontando os gargalos, a fim de priorizar o que é taticamente importante, foco da automatização. A robótica, nesse cenário aparece como uma facilitadora para que as seguradoras possam agregar eficiência aos procedimentos manuais e, consequentemente, adicionar valor perceptível aos seus clientes.
Para isso, a Sistran conta hoje com a tecnologia Pega, que além de capacidades de robotização inteligente, seja na estação de trabalho ou nas integrações entre os inúmeros sistemas legados, oferece capacidades de orquestração de todo processo com aplicação de inteligência artificial, agilizado os processos das camadas de back e front end.
“Não sendo a solução para todos os problemas, existem indicações específicas para o uso da RPA (Robotic Process Automation). Mas é oportuno que antes entendamos a jornada de interação com o cliente, desenhando processos a serem potencializados pela automação”, diz Paes. “No caminho para a transformação digital, mais importante que o puro emprego da tecnologia, é a maneira ímpar que esta o habilita para transmutar procedimentos e, com isso, as consequentes capacidades e recursos de inovação que levam ao negócio fim da empresa vantagem competitiva sustentável”, finaliza.
Sobre a Sistran
Muito além do simples emprego da tecnologia, a Sistran Brasil fornece funcionalidades úteis para usuários finais. Une conhecimento de seus mais de 160 colaboradores especialistas em seguros a produtos próprios ou de marcas globais, para entregar soluções de negócio com alto índice de satisfação do cliente. Integrante do grupo Sistran – presente em 15 países da América Latina e nos Estados Unidos – processa um terço de todos os prêmios de seguro de Vida do Brasil e acumula cerca de 30 anos de história local.
Tags: ,

1. Você precisa ser cadastrado para enviar o seu comentário. Se ainda não fez o seu cadastro, por favor, clique aqui. Um e-mail será enviado para a sua caixa postal, fornecendo sua senha.

Esqueceu sua senha?

Preencha o campo abaixo com o mesmo endereço de e-mail que você usou para fazer o seu cadastro e enviaremos uma nova senha para a sua caixa postal: