Formando valores e criando resultados

19/08/2013 / FONTE: Dilmo Bantim


Diferentemente de um passado não muito remoto, os cursos de formação e especialização profissional não são mais vistos pelas empresas como um custo sem retorno.

A globalização e a intensa concorrência da indústria de seguros exige a constante renovação do capital intelectual e operativo, num esforço para capacitar e atualizar o conhecimento e técnicas profissionais dos colaboradores, preparando-os para os desafios que surgem no contexto do mercado.

A qualidade profissional é o resultado de um processo complexo, que envolve maior exigência do consumidor, intrincados aspectos técnicos e legais da atividade securitária, competitividade mercadológica e a busca de melhores resultados.

O mercado de seguros precisa de profissionais capazes para executar de maneira adequada todas as tarefas envolvidas na operacionalização de suas atividades, abrangendo identificação de oportunidades, precificação, subscrição, comercialização, regulação e liquidação de sinistros, atividades de controle, governança, conformidade legal, gestão, parâmetros atuariais e tantos outros aspectos pertinentes.

Diversas instituições orientadas à formação profissional oferecem cursos para atendimento das necessidades das seguradoras, corretoras, prestadoras de serviços e atividades afins ao seguro. Os processos de formação profissional securitária podem ser identificados em quatro grandes grupos: Formação de Corretores, Certificação Técnica, Graduação/Pós graduação e Gestão.

Os cursos de formação, além de oferecer conteúdo didático, também disponibilizam contato direto com situações reais, seja por meio de análise de casos, visitas a locais de riscos cobertos e/ou à ambientes profissionais como escritórios de Seguradoras e Corretoras, permitindo aos cursandos o contato com o cotidiano do trabalho executado pelos profissionais da indústria do seguro. Não menos importante é a participação de cursandos e profissionais em palestras e seminários sobre os mais diversos temas de seguros. Tais ações contribuem positivamente para a cristalização do conhecimento.

Desta forma, a capacitação profissional deve ser estruturada para incrementar o desenvolvimento e atualização profissional, integrando uma política de recursos humanos orientada à modernização e melhoria da base organizacional objetivando a melhoria contínua da performance empresarial.

Cursos de formação e especialização valorizam a imagem do colaborador e da empresa, gerando efeitos sobre as competências sócio-afetivas – desenvolvendo as atitudes comunicacionais e comportamentais, sobre as cognitivas – no desenvolvimento intelectual e nas psicomotoras – no saber fazer.

Os efeitos imediatos benéficos da capacitação de empregados são o aumento de produtividade e competitividade, a redução de custos, a melhoria do ambiente de trabalho e redução do turn-over.

A educação profissional é um instrumento fundamental para se enfrentar as mudanças de mercado e da tecnologia, capacitando a força de trabalho para responder com mais rapidez e poder de adaptação às necessidades, resultando o ganho de qualificação em maior qualidade e produtividade.

Os processos de formação e especialização também levam as Seguradoras a conhecerem melhor seus colaboradores, permitindo-lhes a melhor alocação possível de suas capacidades, maximizando tanto a valorização individual quanto a sinergia organizacional.

Por meio da capacitação profissional também se obtém mudanças de comportamento dos colaboradores, melhorando sua auto estima e motivação; visão quanto às necessidades de seus setores específicos e da empresa como um todo e, ainda, podendo eventualmente convertê-los em multiplicadores na capacitação de outros.

A maioria dos profissionais atribuem grande importância ao processo de treinamento, principalmente quando a empresa se compromete com a formação de novos valores corporativos, além de estarem cientes de que sua aprimoração influi tanto na conquista de vagas como na manutenção de sua estabilidade empregatícia.

A valorização pela empresa quanto aos processos de formação e capacitação, considerando-os como um investimento, incrementa a retenção de valores e possibilita a prevenção de necessidades.

Dilmo Bantim Moreira

Presidente do Clube Vida em Grupo – CVG/SP, Diretor de Relacionamento com o segmento de Previdência Privada e Vida da Academia Nacional de Seguros e Previdência – ANSP, atuário, membro da Comissão Técnica de Produtos de Risco da FENAPREVI, instrutor em seguros de Riscos Pessoais e colunista em mídias securitárias.

Notícias relacionadas


1. Você precisa ser cadastrado para enviar o seu comentário. Se ainda não fez o seu cadastro, por favor, clique aqui. Um e-mail será enviado para a sua caixa postal, fornecendo sua senha.

Esqueceu sua senha?

Preencha o campo abaixo com o mesmo endereço de e-mail que você usou para fazer o seu cadastro e enviaremos uma nova senha para a sua caixa postal: