Expectativa de mais subsídio acirra disputa no seguro rural

05/04/2019 / FONTE: Valor via Sindsep SP

aade34cf-d5a9-4e04-8d72-f7415a989dde

Algumas empresas lançaram a modalidade e outras decidiram ampliar o número de culturas atendidas

Expectativa de mais subsídio acirra disputa no seguro rural

O Valor Econômico relata que a intenção da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, de destinar R$ 1 bilhão em subsídios para o seguro rural, mais que o dobro do volume atual, trouxe otimismo às seguradoras. Num movimento para ganhar mercado, há desde empresas que lançaram a modalidade até aquelas que decidiram ampliar o número de culturas atendidas, assim como passar a cobrir o risco financeiro do produtor, além de eventos climáticos.

O governo quer reduzir o crédito subsidiado e o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, disse que, nesse contexto, o mercado precisa estar preparado para oferecer o seguro rural. Assim, os bancos privados ficam mais confortáveis em liberar os empréstimos. “O produto depende de um programa de subsídio mais robusto e de previsibilidade para deslanchar”, diz Paulo Hora, superintendente-executivo de seguros rurais da BrasilSeg. Para este ano, a BrasilSeg espera um crescimento de 11% dos prêmios emitidos na carteira de seguro rural.

De acordo com Gabriel Lemos, diretor de seguro rural da Swiss Re, embora o mercado tenha crescido de quatro para 12 concorrentes desde 2006, hoje as apólices ainda estão muito concentradas nos estados da região Sul. “Com mais subsídios, teríamos maior presença no Centro-Oeste, Norte e Nordeste, regiões carentes de seguros.”

A japonesa Sompo contratou no ano passado uma equipe de quatro agrônomos para iniciar um projeto-piloto e neste ano lançou oficialmente o produto. A estimativa da empresa é alcançar R$ 6 milhões em prêmios emitidos neste ano, e R$ 100 milhões em 2023.

Já a Tokio Marine ampliou a cobertura para mais de 70 culturas e para todo o país. Por ora, há um limite máximo de indenização de R$ 3,5 milhões por propriedade. “Com isso, conseguimos distribuir o risco de eventos climáticos”, diz Joaquim Neto, gerente de produtos. A Tokio testou o produto por dois anos e meio e, em 2019, pretende crescer 150%, para R$ 20 milhões em prêmios emitidos.

A Essor cresceu vendendo apólices para os produtores de frutas da região Sul, mas tem avançado em grãos e cevada, atendendo hoje mais de 50 culturas. Até agora exposta a eventos climáticos, a empresa planeja incluir a proteção para riscos financeiros no rol de produtos, algo que poucas concorrentes têm. “Esse seguro combinaria prejuízo decorrente de evento climático com o prejuízo financeiro, como por exemplo a desvalorização do preço internacional da soja”, diz Leandro Poli, diretor técnico da Essor.

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Participe do Bom Dia Seguro, o maior grupo no WhatsAPP exclusivo para Profissionais de Seguros de todo Brasil.

Realize o seu cadastro através do link e venha compartilhar conhecimento: https://www.cqcs.com.br/cadastre-se/

Caso você já seja cadastrado no CQCS, envie um Fale Conosco solicitando participar do grupo. Link: https://www.cqcs.com.br/fale-conosco/

Tags:

1. Você precisa ser cadastrado para enviar o seu comentário. Se ainda não fez o seu cadastro, por favor, clique aqui. Um e-mail será enviado para a sua caixa postal, fornecendo sua senha.

Esqueceu sua senha?

Preencha o campo abaixo com o mesmo endereço de e-mail que você usou para fazer o seu cadastro e enviaremos uma nova senha para a sua caixa postal: